sábado, 14 de março de 2015

O VALOR DA NOSSA VIDA

 João era o nome do empregado de certo fazendeiro que resolveu vender suas terras. João era pobre; seu trabalho era penoso, mas era muito honesto. Após alguns anos de trabalho, consegui guardar um bom dinheiro e comprou um pequeno pedaço de terra do seu patrão.      Foi uma boa aquisição.
   Mais tarde ouviu falar de uma outra propriedade, não muito mais cara, um pouco para o oeste. Vendeu seus bens e instalou-se nela. Da mesma forma foi uma boa aquisição e a sua vida melhorou.

   Um certo viajante comunicou-lhe, então, que mais longe, mais para o norte, podiam-se adquirir terras muito mais extensas e férteis, por um preço bem menor. E João deslocou-se para lá, acompanhado por um empregado seu. Quando ali chegou, lhe foi oferecido por uma bagatela, tanto terreno quanto ele conseguisse medir, desde o nascer até o pôr do sol.
   João delimitou tudo quanto pode o colocou marcos para assinar o que fora medido. Esgotou suas forças naquele dia. Havia parado somente para uma breve refeição. Formaram-se bolhas nos seus pés.
   O sol estava quase desaparecendo no horizonte. À custa de um último esforço, João consegui atingir a colina onde o vendedor de terras o aguardava. Sentia-se exausto. Suas pernas amoleceram, seus olhos escureceram, e ele caiu por terra. Estava morto! Ainda sob o impacto daquela morte repentina, o seu criado lhe cavou a sepultura, uma sepultura do se tamanho e não mais...                  (Devocionário S. Nascente)

   Esta história exemplifica muito bem o valor da vida humana. Nossa vida não consiste em possuir muito, mas sim, em SER ALGO.
   Jesus diz que devemos, em primeiro lugar, buscar o seu reino e a sua justiça. Todas as outras coisas serão acrescentadas. Quem não se lembra da parábola que Jesus contou a respeito do homem rico, que produziu com abundância, que iria construir novos celeiros para guardar tudo e, depois, gozar a vida? "Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a alma; e o que tens preparado, para quem será?"(Lucas 12.16-21)
   Pensemos sobre isso!
Com carinho, Pastor Leandro Eicholz

terça-feira, 3 de março de 2015

A IMPORTANCIA DA ORAÇÃO

Na Escritura Sagrada, encontramos incontáveis exemplos de pessoas que oravam. Sobretudo no Novo Testamento há incontáveis exemplos de cristãos que oravam na comunhão de irmãos e irmãs. Estes, oravam agradecendo, louvando e intercedendo diante de Deus.
Vamos conferir alguns textos em que o assunto é a oração:
- Mateus 7.7-12 fala das promessas relacionadas com o oração. Deus, o Pai, diz Jesus, não vai deixar na mão aqueles que oram, àqueles que falam com o Pai Celeste.
- Em Atos 4.23-31 temos um exemplo de oração em grupo.
- Em 1 Tessalonicenses 5.16-18 lemos os conselhos do apóstolo Paulo dizendo que a oração deve ser parte integrante da vida.
- Em Mateus 14.33 vemos que, Jesus volta e meia se retirava e, junto a Deus, em oração, renovava as suas forças. Certamente, essa forma que discernia o caminho certo para andar no amor. Ele diz: “Sem mim vocês não podem fazer nada.” ( João 15.5)
Também, convém refletir ainda, sobre o poder da oração. Neste caso, atribui-se à oração um poder sobrenatural. E, por isso, é importante lembrar o que diz o nosso Reformador Martin Lutero: “Devemos agir como se tudo dependesse de nós e, devemos orar como se tudo dependesse de Deus”.
Portanto, orar é falar com Deus. Não um falar sozinho, mas com o nosso Pai.  Orar é ligar-se intimamente a Deus. A oração é tão necessária como o pão nosso de cada dia. A oração abre os nossos olhos e ouvidos para as necessidades e as bênçãos ao nosso redor. A oração nos faz enxergar além de nós mesmos, aproxima-nos uns dos outros!
Responda para si: Como você avalia a sua vida de oração? Você ora regularmente?

Como cristãos, nós devemos resgatar a importância da oração! Por isso, vamos juntos orar agora. “Querido e amado Deus, em Cristo, revelaste a nós o correto significado de Tua palavra. Permite que a entendamos sempre melhor. Fortalece-nos através de Tua palavra e ajuda para que também vivamos e atuemos de acordo com ela. A ti louvor e gratidão para sempre”. Amém.
Com carinho, Pastor Leandro Eicholz

domingo, 11 de janeiro de 2015

A CERCA

Era uma vez um menininho que tinha um mau temperamento. O pai dele deu-lhe um saco de pregos e disse que para cada vez que o menino perdesse a calma, ele deveria pregar um prego na cerca.
No primeiro dia, o menino pregou 17!!!!!!! Nas semanas seguintes, como ele aprendeu a controlar seu temperamento, o número de pregos pregados na cerca diminuiu gradativamente. Ele descobriu que era mais fácil dominar a si mesmo do que pregar aqueles pregos na cerca.
Finalmente o dia chegou quando o menino não mais perdeu a calma. Ao falar a seu pai acerca disso, este lhe sugeriu que, para cada dia em que não perdesse a calma, tirasse um prego da cerca.
Depois que vários dias passaram o menino finalmente esteve pronto para dizer a seu pai que tinha retirado todos os pregos da cerca. O pai então o pegou pela mão e foi com ele até a cerca. Lá ele lhe disse:
“Você fez muito bem, meu filho. Mas veja só os buracos que restaram na cerca. Ela nunca mais será a mesma. Filho é assim que acontece quando você fala algumas coisas com raiva; elas deixam cicatrizes como os pregos deixaram sinais na madeira.
Você pode enfiar a faca em alguém e retirá-la. Não importa quantas forem às vezes que você disser "desculpe"; a ferida ainda continuará lá. Um ferimento verbal é a mesma coisa que um ferimento físico.
Filho, amigos são como uma joia preciosa mesmo. Eles te fazem sorrir e te encorajam e animam. Eles te escutam, eles te aconselham, e sempre estão prontos a abrir seus corações para nós. Cuida bem dos teus amigos filho; cuida bem do que tu lhes dizes. Lembra-te que palavras sábias, palavras carinhosas, palavras amigas fazem bem e conservam as amizades para sempre”.                                        (autor desconhecido)

Por isso, lembrem-se: nós temos o Amigo Maior que nunca falha: O Salvador Jesus. Ele, o maior de todos os amigos, deu a vida por nós! para que recebêssemos, o perdão e o poder para vivermos no amor. Que o amor de Deus nos motive para que deixemos, com nossas atitudes e palavras, marcas de amor naqueles com quem convivemos no lar, na igreja e em nossos locais de trabalho. Amém.

Com carinho, Pastor Darcí S. Bartz

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

A PISCINA E A CRUZ

Um de meus amigos ia toda quinta-feira à noite a uma piscina coberta. Ele sempre via ali um homem que lhe chamava a atenção: ele tinha o costume de correr até a água e molhar só o dedão do pé. Depois subia no trampolim mais alto e com um esplêndido salto mergulhava na água. Era um excelente nadador. Não era de estranhar, pois, que meu amigo ficasse intrigado com esse costume de molhar o dedão antes de saltar na água.
Um dia tomou coragem e perguntou-lhe a razão daquele hábito. O homem sorriu e respondeu: "Sim, eu tenho um motivo para fazer isso. Há alguns anos, eu era professor de natação de um grupo de homens”.
Meu trabalho era ensiná-los a nadar e a saltar de trampolim. Certa noite não conseguia dormir e fui à piscina para nadar um pouco; sendo o professor de natação, eu tinha uma chave para entrar no clube. "Não acendi a luz porque conhecia bem o lugar. A luz da lua brilhava através do teto de vidro. Quando estava sobre o trampolim, vi minha sombra na parede em frente. Com os braços abertos, minha silhueta formava uma magnífica cruz. Em vez de saltar, fiquei ali parado, contemplando aquela imagem."
O professor de natação continuou: "Nesse momento, pensei na cruz de Jesus Cristo e em seu significado. Eu não era um cristão, mas quando criança aprendi um cântico cujas palavras me vieram a mente e me fizeram recordar que Jesus tinha morrido para nos salvar por meio de seu precioso sangue.
"Não sei quanto tempo fiquei parado sobre o trampolim com os braços estendidos e nem compreendo por que não pulei na água. Finalmente voltei, desci do trampolim e fui até a escada para mergulhar na água. Desci a escada e meus pés tocaram o piso duro e liso ... na noite anterior haviam esvaziado a piscina e eu não tinha percebido!"
"Tremi todo e senti um calafrio na espinha. Se eu tivesse saltado, seria meu último salto. Naquela noite, a imagem da cruz na parede salvou a minha vida. Fiquei tão agradecido a Deus - que por me amar permitiu que eu continuasse vivo - que me ajoelhei na beira da piscina.
Tomei consciência de que não somente a minha vida física, mas minha alma também precisava ser salva. Para que isso acontecesse, foi necessária outra cruz, aquela na qual Jesus morreu para nos salvar. Ele me salvou quando confessei os meus pecados e me entreguei a Ele."
"Naquela noite fui salvo duas vezes, física e espiritualmente. Agora tenho um corpo sadio, porém o mais importante é que sou eternamente salvo. Talvez agora você compreenda porque eu molho o dedão antes de saltar na água".
(autor desconhecido)
Com carinho, Pastor Leandro Eicholz

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Aos membros da IELI.

Amigos e amigas, membros de nossa querida Igreja Evangélica Luterana Independente (IELI), como LUTERANOS INDEPENDENTES, somos herdeiros da Reforma iniciada em 1517, através das ações de MARTIN LUTHER (Lutero) e seus AMIGOS colaboradores.

Lutero dizia que a Igreja da Reforma é uma Igreja em constante reforma. Portanto, não pode ficar parada no tempo, mas tem que se fazer perceber dentro do tempo em que vive.

Lutero foi muito fiel e a este conceito inquestionável. Na época da Reforma, no o século XVI, ele usou e abusou dos meios de comunicação disponíveis para promover as ações que culminariam na Reforma.
Nós, como Pastores e membros da IELI, refletimos tal como Lutero esta ação e buscamos assim, contextualizar-nos com a época em que vivemos.

Hoje o meio de comunicação mais usado para comunicar e para divulgar, e por que não, também para criar e manter relações, é a INTERNET. Como Igreja de Cristo, devemos e precisamos saber como utiliza-la para a promoção do Evangelho na tarefa da edificação do Reino de Deus.

Nesse sentido a IELI tem agora a sua página web onde podemos nos comunicar e nos conhecer como Igreja de Cristo.

O site foi ao ar no ainda em 2013, e, já passamos de 33.000 acessos. Isso nos motiva a melhorar a cada dia. Muito obrigado pela atenção e colaboração de todos.
Fica o abraço de todos os Pastores da Igreja Evangélica Luterana Independente.

Nosso muito obrigado!

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

A ROUPA DA VIZINHA

Lembrei de uma história que li, já algum tempo, mas que nos ajuda a refletir sobre a nossa relação com o próximo.
 “Era uma senhora já bastante idosa e vivia sozinha desde que o marido morreu há 12 anos. Ela já tinha dificuldade para se locomover. Por isso, volta e meia outras senhoras iam visitá-la, para conversar um pouco com ela. Mas, as visitas das amigas já estavam se tornando cada vez mais breves, porque aquela senhora tinha pegado a mania de falar mal de sua vizinha. E ninguém queria se meter nessa história para não ofender nem a vizinha e nem a senhora idosa. Mas, muitas vezes não havia escapatória. A senhora idosa se dirigia até a janela e puxava a cortina para o lado e dizia: "Queres ver uma coisa? Olha essa roupa da vizinha no varal. Não é uma pouca vergonha? Ela diz que lavou a roupa, mas olhe como está cheia de manchas amarelas. É uma vergonha ter uma vizinha tão relaxada assim.". A visita, então, tratava de ir se despedindo, para não entrar nesse problema. Todos queriam bem aquela senhora idosa, e por isso não queriam se meter em problemas.
Certo dia chegou o pastor novo na cidade. A diretoria lhe colocou que a prioridade nesse primeiro ano era fazer visitas aos membros. Tudo bem. Lá foi o pastor visitar as casas das famílias membros. Certo dia, o pastor chegou de visita na casa da senhora idosa. Ela, muito satisfeita ,convidou o pastor para entrar. Conversaram animadamente até que a senhora disse ao pastor:
- Pastor, o senhor quer ver uma coisa? E lá foi ela para perto da janela, puxou a cortina para o lado e disse: Não é uma vergonha a gente viver ao lado de uma pessoa tão relaxada. Essa minha vizinha acabou de lavar a sua roupa, mas olha só como os lençóis tem manchas amareladas."
O pastor se aproximou da janela, olhou para fora e disse:
- A senhora me desculpe, mas não é a roupa da vizinha que está amarelada. É a vidraça de sua janela que está suja”. (Autor Desconhecido)
Portanto, as vezes o problema esta em nós mesmos. O desafio é aceitar que somos falhos.
Pense nisso!

Com carinho, Leandro Eicholz