domingo, 8 de dezembro de 2019

NATAL


Mais uma vez nos aproximamos do Natal.
    Mas será que existem motivos para alegrar-se nesse Natal?
   Em Isaías 61.10 lemos: Nós nos alegraremos e cantaremos um hino de louvor por causa daquilo que o Senhor, nosso Deus, fez. Ele nos vestiu com a roupa da salvação e com a capa da vitória. Somos como um noivo que põe um turbante de festa na cabeça, como uma noiva enfeitada com joias".
    Talvez para muitos o Natal não seja somente de alegria. Numa sociedade consumista parece que sempre falta um presente, uma joia, um brinquedo, um chocolate, etc... Também sabemos que para muitas pessoas é difícil falar de alegria, pois se encontram tristes nessa época do ano. E ainda existem muitos que não conseguiram compreender o verdadeiro sentido do Natal.
    O verdadeiro motivo para se alegrar é a "roupa da salvação que Deus nos envolve". Essa “roupa” é o menino Jesus, que nos leva de volta ao Pai. A alegria do Natal é o nascimento do menino Jesus, o filho de Deus que nasceu humilde em Belém. Graças a Ele, fomos revestidos, nos tornamos também filhos de Deus e herdeiros da salvação.
    Graças a Jesus, fomos libertos da condenação eterna e nos foi dado o céu. Como diz Paulo em Rm 8.17: "Nós somos seus filhos, e por isso receberemos as bênçãos que ele guarda para o seu povo, e também receberemos como Cristo aquilo que Deus tem guardado para ele. Porque, se tomamos parte nos sofrimentos de Cristo, também tomaremos parte na sua glória".
    Portanto, será que existem motivos para nos alegrar neste Natal? Com certeza, SIM! E, essa alegria é eterna. Essa alegria está em Jesus, este que nos cobriu com a roupa da salvação, com a capa da vitória, perdoando os nossos pecados.
    Que nesse Natal possamos reconhecer a verdadeira alegria e que possamos compartilhá-la com todos. Amém!
 - Um feliz e abençoado Natal a todos!!
                                                                                 Com Carinho, Leandro Eicholz

domingo, 6 de outubro de 2019

SOMENTE COM O PAI AO LADO!

Juquinha é um menino extrovertido. Desde pequeno, mostrou-se independente. Tem hoje doze anos e é muito comunicativo. As pessoas o admiram por aquele seu jeito de homenzinho.
Porém, há alguns meses atrás começou a formar-se uma pequena calosidade em seu nariz, No início, era apenas aquela pequena saliência. Mas, com o tempo, passou a comichar. Por fim, veio também a dor. Juquinha passou as mais diversas pomadas, mas nada adiantou. Suas preocupações aumentaram. Aquela feridinha poderia talvez transformar-se numa doença incurável, pondo fim à sua vida.
Certa noite o pai o examinou e achou recomendável levá-lo ao médico. A cirurgia foi marcada para a segunda-feira da semana seguinte. Chegando o dia, o pai o acompanhou até o hospital. Na hora marcada, um enfermeiro o chamou para a sala de cirurgia. Lá um médico e uma enfermeira já o aguardavam. Sem perda de tempo, tomaram um pano e vendaram os seus olhos. Avisaram-lhe ainda que era necessário a aplicação de um pequeno anestésico, para que não sentisse nenhuma dor. Mas, a sua confiança evaporou-se por completo no momento em que deixara de ver por causa da venda. Juquinha solicitou então a presença do pai. Do contrário ameaçou que mão se deixaria operar. Os médicos atenderam a o seu pedido. O pai entrou, tomou a mão do menino e assim, Juquinha se aquietou com as suas palavras, naquele mesmo instante. Em poucos minutos, estava tudo resolvido. (História extraída do Devocionário Sol Nascente)
Reflita comigo:
“Mas se Deus, o Pai, nos ampara nas horas difíceis, por que não buscamos a sua presença também nos dias de alegria e tranquilidade?”
O exemplo que lemos na história acima, com certeza vale para a vida de muita gente. São muitos os extrovertidos, que levam uma vida independente, que ignoram a Deus, sem jamais sentir a necessidade de buscar a Sua presença! Mas, certamente surge um dia em que toda a autoconfiança evapora. Aliás, isso pode acontecer por causa de uma “calosidade” qualquer. Mais objetivamente falando, por causa do pecado que se enraizou em nossa vida e começa a inquietar-nos. Necessitamos, então, contar com a presença de alguém em cuja mão possamos nos sentir totalmente amparados. Felizes são aqueles que descobrem o amor de Deus revelado em Cristo Jesus.
Jesus diz: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma”. Mat. 11.28-29.
Que todos estejam sob os cuidados do nosso Deus! Certos de que, Ele é o nosso esconderijo nos tempos difíceis. Esteja certo que Deus cuida de todos nós. Pois a Sua bondade dura para todo o sempre. Amém!

Com carinho, Pastor Leandro Eicholz.

segunda-feira, 29 de julho de 2019

COMO MANTER UM CASAMENTO ?


Quando Deus oficiou o casamento de nossos primeiros pais, Adão e Eva, Ele estabeleceu um plano para todos os casais. Em Gênesis 2.24 esta escrito: “... deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne.” A união do casamento seria a mais íntima de todas as relações humanas. Por ela, marido e mulher se tornam uma só carne. Diz o apóstolo Paulo: “Porque ninguém, jamais odiou a sua própria carne, antes a alimenta e dela cuida”. E, escreveu mais: Quem ama a sua esposa, ama a si mesmo (Efésios 5.28 e 29).
O casamento é uma união de amor. Foi instituído para satisfazer o profundo anelo implantado na alma pelo Deus de amor – o desejo de dar e receber amor.
O amor é oposto ao egoísmo. O egoísmo pensa em si mesmo, busca os seus próprios interesses, busca só receber. Infelizmente muitos casam por motivos egoístas: querem só a sua vontade e o seus prazeres satisfeitos. Por isso, casamentos desse tipo nunca são felizes e acabam rapidamente.
O amor conjugal deve ser nutrido, fortalecido. Ele deve crescer sempre. A sua chama deve se tornar cada vez mais viva. E isto não vem por acaso. Requer planejamento, requer esforço – incessante esforço através da vida íntima. Alguém disse acertadamente que a vida conjugal é uma escola na qual nunca nos graduamos, nunca nos formamos. Mas, gostaria de apresentar algumas dicas para manter o casamento.
A primeira delas é o reconhecimento de cada um dos cônjuges no lar. No plano de Deus o marido é o chefe da família. Deve ser honrado como tal pela esposa e pelos filhos. Mas, a esposa é a rainha do lar. E deve estar ao lado do marido na direção do lar. Portanto, marido e mulher juntos.
Uma segunda dica para manter o casamento é a fidelidade mútua. O casamento é uma união sagrada e requer estrita fidelidade do marido à mulher, e da esposa ao marido. A ordem é clara: Não cometerás adultério (Êxodo 20.14). Essa total dedicação de um ao outro gera confiança e nutre o amor. Inversamente, a infidelidade, seja do homem, seja da mulher, suscita ciúme, ressentimento.
Já a terceira dica é o esforço de adaptação mútua. Passados os primeiros dias após o casamento, e iniciada a vida real. Começam a aparecer às fraquezas de ambos. O marido vê na mulher pontos negativos, com os quais talvez não tivesse sonhado; e a esposa também vê no marido defeitos que não imaginava... Aí é preciso compreensão, apoio e a busca para valorizar as qualidades, ajudando na superação dos pontos negativos.
A quarta dica para manter o casamento é a expressão do amor. Na vida conjugal o amor deve ser expresso por palavras – palavras de apreço pelos esforços do marido, da mulher; palavras em que o amor mútuo é assegurado. Alguns pensam que o companheiro da vida sabe que é amado e não é preciso dizer para o outro. O amor deve ser expresso por atos, aliviando cada qual o fardo do outro. As primeiras atenções, dispensadas com tão grande satisfação na fase do namoro e noivado, deveriam continuar após o casamento. Se a noiva ou namorada merecia atenção, muito mais digna disso é a esposa. Um presente de vez em quando é uma demonstração de amor correspondido pelo outro lado com um afeto mais profundo. Nisso não é necessário gastar o salário do mês. Até uma bonita flor, se dada com sinceridade, produz o seu efeito. Alguém uma vez disse que, o amor da esposa floresce como uma flor. OBS: E o tempo de fazer isso é enquanto ela vive. De nada valerá, depois da morte, encher o seu caixão de flores e amontoar coroas sobre o seu túmulo.
Uma quinta dica é dar a Deus um lugar na vida do casal. O verdadeiro triângulo amoroso é formado pelo marido, pela esposa e por Deus. Quanto melhor o nosso relacionamento com Deus, tanto melhor será o nosso relacionamento com o companheiro da vida. Deus deve ser o centro da nossa vida, o objeto de nosso supremo amor. A vontade dEle deve vir em primeiro lugar e deve ser feita com alegria. Então, da divina fonte de toda boa dádiva, receberão, marido e mulher, aquele amor desinteressado e puro, que une, que enobrece, que faz feliz e bela a vida conjugal. No capítulo intitulado “O Segredo de Um Matrimônio Feliz”, do livro “A Ciência do Bom Viver”, lemos: “Só em Cristo é que se pode com segurança entrar para a aliança matrimonial. O amor humano deve fazer derivar do amor divino os seus laços mais íntimos. Só onde Cristo reina é que pode haver afeição profunda, verdadeira e altruísta.
Meu amigo, Deus instituiu o casamento para que fosse uma bênção. Aqueles que preenchem essas condições possuirão o precioso bem de uma união conjugal venturosa.
- Se estiver falando neste momento a um casal que não é feliz, gostaria de dizer, terminando: embora possam surgir dificuldades, perplexidades, nem o marido nem a mulher devem abrigar o pensamento de que sua união é um erro ou uma decepção. Que cada um resolva ser para o outro tudo que é possível. Continuem, relembrem as primeiras atenções e gestos de carinho. Que um anime o outro nas lutas da vida. Procure cada um promover a felicidade do outro. Haja amor mútuo e muita paciência. Então, o casamento, em vez de ser o fim do amor, será como que seu começo. O calor da verdadeira amizade, o amor que liga coração a coração, é uma amostra das alegrias do céu. Que Deus os abençoe.
OREMOS: Querido Deus, Tu és o Pai de todos os que Te chamam de filhos. Rendemos-Te gratidão pelo lar e pela família que nos deste. Pedimos, ajudá-nos a reconhecer o grande presente que nos deste, o nosso cônjuge, a nossa metade. Por Jesus Cristo, nosso Senhor e único Salvador. Amém
Com carinho, Pastor Leandro Eicholz

terça-feira, 18 de junho de 2019

A CERCA

Conta-se que certa vez um menininho que tinha um mau temperamento. O pai dele deu-lhe um saco de pregos e disse que para cada vez que o menino perdesse a calma ele deveria pregar um prego na cerca.
No primeiro dia, o menino pregou 17! Nas semanas seguintes, como ele aprendeu a controlar seu temperamento, o número de pregos pregados na cerca diminuiu gradativamente. Ele descobriu que era mais fácil dominar a si mesmo do que pregar aqueles pregos na cerca.
Finalmente o dia chegou quando o menino não mais perdeu a calma. Ao falar a seu pai acerca disso, este lhe sugeriu que, para cada dia em que não perdesse a calma, tirasse um prego da cerca.
Depois que vários dias passaram o menino finalmente esteve pronto para dizer a seu pai que tinha retirado todos os pregos da cerca. O pai então o pegou pela mão e foi com ele até a cerca. Lá ele lhe disse:
“Você fez muito bem, meu filho. Mas veja só os buracos que restaram na cerca. Ela nunca mais será a mesma. Filho é assim que acontece quando você fala algumas coisas com raiva; elas deixam cicatrizes como os pregos deixaram sinais na madeira.
Você pode enfiar a faca em alguém e retirá-la. Não importa quantas forem às vezes que você disser "desculpe"; a ferida ainda continuará lá. Um ferimento verbal é a mesma coisa que um ferimento físico.
Filho, amigos são como uma joia preciosa mesmo. Eles te fazem sorrir e te encorajam e animam. Eles te escutam, eles te aconselham, e sempre estão prontos a abrir seus corações para nós. Cuida bem dos teus amigos filho; cuida bem do que tu lhes dizes. Lembra-te que palavras sábias, palavras carinhosas, palavras amigas fazem bem e conservam as amizades para sempre”.                                        (autor desconhecido)

Por isso,  lembrem-se sempre: nós temos o amigo maior que nunca falha: O Salvador Jesus. Ele, é o maior de todos os amigos,. Ele deu a vida por nós para que recebêssemos o perdão e a alegria de vivermos no amor.
Que o amor de Deus nos motive para que, com nossas atitudes e palavras, deixemos marcas de amor naqueles com quem convivemos no lar, na igreja e em nossos locais de trabalho. Amém.

Com carinho, Pastor Leandro Eicholz

sábado, 20 de abril de 2019

HOUVE AQUELA PRIMEIRA CRUZ


Houve aquela primeira cruz, a cruz do Gólgota.
Que grande engano: Crucificaram o Filho de Deus!
A partir daquele acontecimento, a cruz se tornou o símbolo maior da cristandade. Onde cristãos se reúnem, ali ela está presente.
A cruz fala de sofrimento, pois chicotearam Jesus, colocaram-lhe uma coroa de espinhos e furaram suas mãos com pregos. A cruz fala de humilhação, pois zombaram de Jesus, leiloaram suas vestes e cuspiram no seu rosto. A cruz fala de morte, pois Jesus morreu na cruz.
Fosse só isso: sofrimento, humilhação e morte, a cruz não seria o símbolo maior da cristandade. Ela é o símbolo maior porque também fala de alegria, fala de vitória e fala de vida. E, por isso é que ela está presente em toda a parte onde cristãos se reúnem.
Encontramos a cruz no alto da torre de nossas igrejas, porque ali se reúnem pessoas para celebrar a vitória da alegria sobre o sofrimento. Encontramos a cruz na capa de livros que contam e cantam a mensagem da exaltação ao invés da humilhação. Encontramos a cruz em nossos cemitérios, para anunciar a vitória da vida sobre a morte.
Efetivamente a cruz é o símbolo maior da cristandade.
A cruz lembra dor, mas ela anuncia alegria. A cruz lembra engano, mas anuncia a verdade. A cruz lembra morte, mas anuncia a vida! (Devocionário Sol Nascente)

 "A CRUZ DO CALVÁRIO MOSTRA COMO OS HOMENS PODEM IR LONGE NO PECADO, E COMO DEUS PODE IR LONGE PARA SALVÁ-LOS". (Trumbull)

 Com carinho, Pastor Leandro Eicholz

quinta-feira, 21 de março de 2019

O QUE TENS NAS MÃOS

- Que tens na tua mão, Moisés?
- Apenas um bordão, Senhor. Com ele guardo o meu rebanho.
- Toma-o e usa-o no meu serviço!
O homem de Deus fez conforme o Senhor lhe pediu. E aconteceram maravilhas tais que os egípcios e o seu faraó jamais tinham visto.
- Que tens na tua mão, viúva pobre?
- Apenas uma moeda, Senhor. É tão pouco, mas o que tenho é para ofertar em favor do serviço no templo.
E ela o deu ao Senhor, e o seu sacrifício tem servido de inspiração durante os séculos para cristãos de todo o mundo.
- Que tens na tua mão, Tabita?
- Somente uma pequena agulha, Senhor!
E os pobres de Jope foram agasalhados com as roupas que ela fez. E, passados tantos anos, Tabita continua sendo o grande exemplo para muitas mulheres cristãs.
Agora, fica a pergunta: - E tu, o que tens na tua mão?
(Do Devocionário Sol Nascente)
Independentemente se temos apenas uma vara, uma moeda, ou até uma simples agulha, é nosso dever como cristãos colocar tudo o que temos a serviço do Senhor. Portanto, tudo o que possuímos: dons, forças, disposição, posses, e também, o nosso tempo! Estes, devem estar à disposição de Deus. Pois, ainda há muita coisa para se feita!
Diante de nossos olhos, muitas injustiças são praticadas. A toda hora constatamos a falta de amor no mundo. Tão poucos sentiram até hoje o conforto da palavra do Senhor, de forma a entender a sua vontade. Menos ainda são os que conseguem pôr em prática a proposta de vida do evangelho. Usa, pois, os teus recursos, ou seja, o teu vigor, a tua disposição, a teu amor, aplicando tudo para viver uma vida consagrada a serviço ao Senhor.
Vamos ler 1 Pedro 4.7-11
”Ora, o fim de todas as coisas está próximo; sede, portanto criteriosos e sóbrios a bem das vossas orações. Acima de tudo, porém, tende amor intenso uns para com os outros, porque o amor cobre multidão de pecados. Sede, mutuamente, hospitaleiros, sem murmuração. Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus. Se alguém fala, fale de acordo com os oráculos de Deus; se alguém serve, faça-o na força que Deus supre, para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo, a quem pertence a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém!”
E você, o que tens nas tuas mãos?
Eu creio que o principal você ainda tem, ou seja, o TEMPO!!!
Com carinho, Pastor Leandro Eicholz