quarta-feira, 10 de abril de 2013

NINGUÉM FAZ NADA SOZINHO



Vocês conhecem este símbolo?
 Estas mãos postas encontra-se em quadros ou livros de orações. As mãos postas são uma escultura que está em um templo, na cidade de Illinois, os Estados Unidos. Ela foi esculpida por um famoso pintor chamado Albrecht Dürer, que nasceu em 21 de maio de 1471, na cidade de Nürenberg, na Alemanha.

Albrecht Dürer: Alemanha, 1471-1528.
Artista de óleos, aquarelas, esculturas e gravuras à pena.

Título do Quadro: Mãos
(Hoje é mais conhecido como: Mãos em oração)



Por trás deste quadro existe uma linda história:
Albrecht tinha um amigo muito especial, que se chamava Hans. Eles trabalhavam em uma oficina de escultura. Ambos tinham um sonho: queriam ser pintores famosos. Porém, tanto Albrecht como Hans eram de famílias muito pobres, famílias que não teriam condições de pagar pelo seus estudos. Mas eles não desistiram, foram em busca do seu sonho. Então para economizarem despesas, eles compartilhavam a mesma moradia. Como eram muito pobres e, não tinham condições para se dedicarem somente aos estudos, precisavam trabalhar. Porém, não era possível trabalhar e estudar ao mesmo tempo.
OBS: Todos sabem que, quem estuda precisa de tempo para se dedicar aos estudos, mas também precisa de dinheiro. Como trabalhar e estudar ao mesmo tempo?
Foi fazendo essa pergunta que Albrecht e seu amigo Hans chegaram à seguinte decisão: um trabalharia para que o outro pudesse estudar.
Quando um estivesse formado, com sua profissão de pintor, pagaria os estudos do outro. Assim com o tempo, ambos chegariam a realizar o grande sonho de se tornarem pintores.
Mas qual deles iria ser o primeiro a estudar? Essa não foi uma decisão fácil de ser tomada. Albrecht queria que Hans fosse estudar primeiro. “Afinal de contas”, dizia ele, “você é mais velho”. Hans queria que fosse Albrecht, porque, como dizia ele, “você tem mais talento”. Como os dois eram, de fato, muito amigos, cada qual insistia em ficar trabalhando para que o outro pudesse estudar.
Para solucionar o problema, Hans teve uma ideia: tomariam a decisão tirando a sorte com uma moeda. E assim, fizeram.  Albrecht foi o sorteado para estudar primeiro. Hans continuaria trabalhando para pagar os estudos de Albrecht.
Hans voltou para sua cidade Nürenberg e Albrecht foi estudar em Viena, com o melhor e mais conhecido pintor daquela época. Hans fez de tudo para cumprir com o combinado, trabalhar para pagar os estudos de Albrecht. Hans trabalhou primeiro em um restaurante, mas como ganhava muito pouco, foi trabalhar numa ferraria. Não demorou muito, suas mãos ficassem calejadas com esse novo trabalho. E, praticamente tudo o que Hans juntava com seu trabalho ele mandava para Albrecht, para que ele se dedica-se completamente aos seus estudos.
Depois de alguns anos, Albrecht terminou seus estudos e voltou para Nürenberg. Estava animado em poder começar a trabalhar e como havia se tornado famoso, com a venda de seus quadros, poderia pagar os estudos de  seu melhor amigo Hans, conforme o combinado. Mas ele não sabia o que um trabalho árduo causaria às mãos de seu amigo.
Quando chegou à casa de seu amigo, foi até o seu quarto nas pontas dos pés para lhe fazer uma surpresa. E, ao abrir a porta, ouviu a voz de Hans que fazia uma oração. Ele estava com as suas mãos muito machucadas, mas postas em sinal de oração. Albrecht imediatamente pensou: Aquelas foram as mãos que garantiram os meus estudos e, agora, elas estão calejadas, e muito debilitadas, já não mais possuem a sensibilidade necessária para um pintor.
Hans também, sabia que não poderia mais tornar-se um pintor. Porém, mesmo assim, não estava arrependido do que juntos haviam feito. Seu coração se enchia de orgulho pelo fato de ter ajudado seu melhor amigo.
Albrecht Dürer tornou-se um pintor e escultor muito famoso. Ele nunca esqueceu aquelas mãos que tornaram seu sonho possível. Por isso, ele retratou-as em um quadro e, mais tarde, as esculpiu em granito. Albrecht não pôde retribuir a Hans com estudos, mas cuidou dele para que não mais precisasse trabalhar tão arduamente.
Hans ajudou a formar um artista. A escultura “mãos postas” tornou-se um símbolo de amizade sem limites, ensina que se é capaz de esquecer do próprio eu, pela causa de um amigo.
Portanto, ninguém faz nada sozinho. Precisamos de Deus e uns dos outros. Amém
Com carinho, Pastor Leandro Eicholz