terça-feira, 9 de maio de 2017

O VALOR DE MÃE


Lemos em Isaias 49.15: “O Senhor responde: Será que uma mãe pode esquecer o seu bebe? Será que pode deixar de amar o seu próprio filho? Mesmo que isso acontecesse, eu nunca esqueceria vocês”. Amém
         Estamos próximos do dia das mães! E como filhos, será que já escolhemos o presente que vamos dar a ela?
Nas duas perguntas de nosso texto e, mais a outra que foi formulada, podemos constatar as diferenças que existem em nosso meio.
         Quanto vale a nossa mãe? As forças do amor materno vão além de nossa imaginação e compreensão. Vão além dos presentes que escolhemos e damos para a nossa mãe. Por vezes, ouvimos relatos de mães que esquecem seus filhos pequenos trancados dentro de carros, ao se deslocarem para o trabalho, ou a supermercados. Porque tamanho esquecimento absurdo envolve um “ser” que chega a esquecer do próprio filho. Outras vezes constatamos mães que, se dispõem em abandonar filhos recém-nascidos em sacolas que são colocados no lixo, assim, filhos abandonados (jogados fora) pela própria mãe. São coisas que nós criaturas humanas não conseguimos compreender. Este extremo talvez seja um desequilíbrio momentâneo, um impulso repentino que a faz agir desta maneira.
         O valor ideal de mãe é aquele em que ela corresponde ao amor pelos filhos e, em que ela de igual forma é correspondida em amor, pelos seus filhos. Do contrário, não adianta querer demonstrar amor através de um presente caro, ou gastar em coisas absurdas. Lembre-se, “são nas pequenas atitudes que estão as grandes coisas”!
         Como filhos, se moramos com ela lá dentro de casa, a honra o respeito constante num nível elevado de conceito de estima. E, se ela não mora conosco, visitá-la regularmente, estes são presentes que farão a diferença no nosso caráter, e também, valorizarão a luta e o empenho que teve quando nos criou. O nosso presente material, só terá sentido se valorizarmos completamente o que é mais importante, como: carinho, afeto, ternura, honra, obediência, e o querer-lhe bem. Tudo isto, custa tão pouco por nossa parte.
         À nossa mãe, enquanto viva estiver, não haverá dinheiro no mundo que possa pagar àquilo que ela fez por nós, portanto, valorize a sua mãe! Do contrário não adianta nada no dia em que ela partir para os braços de Deus, sentarmos ao lado do caixão e chorar a sua ausência. Pense nisso.
         Às queridas mães, o nosso fraterno abraço e que tenham um dia muito abençoado. Com amor e carinho para todas as mães.
Pastor Darí S. Schmechel